Charles Darwin

Quem foi Charles Darwin?

Flora masculina do Catasetum fimbriatum

As orquídeas conquistaram o gosto dos Europeus dado à sua exuberância e beleza rara. Tendo em vista que a diversidade de orquídeas na Europa e nas Américas é astronomicamente discrepante. As Américas Central e do Sul tinham o privilégio de estarem (hoje não mais) mergulhada em uma rica floresta tropical. Hoje temos apenas resquícios do que nossas florestas já foram um dia. Voltando aos anos de 1800, a beleza das orquídeas chamou atenção de uma legião de fãs. Alguns destes admiradores eram também pesquisadores que decidiram estudar estas plantas tão diferentes. Dentre os naturalistas que enviesaram pelo estudo de orquídeas, Charles Darwin é certamente o mais famoso. Quem foi Charles Darwin? Ele é conhecido como o pai da Teoria da Evolução. Certamente sua obra mais famosa é “A origem das espécies de 1909”. Este livro foi publicado para apresentar ao mundo a Teoria da Evolução baseado em nas observações de Darwin durante a viagem no navio Beagle (navio). Esta viagem ocorreu entre os anos de 1826 e 1836.

O que grande parte das pessoas não sabem é que Darwin tinha uma paixão declarada pelas orquídeas. Essa admiração era tão grande que em 1862 ele escreveu um livro dedicado exclusivamente às orquídeas com o título “Sobre os vários artifícios pelos quais orquídeas britânicas e estrangeiras são fertilizadas por insetos e os benefícios do intercruzamento” (do Inglês “On the Various Contrivances by Which British and Foreing Orchids are fertilised by insects and on the good effects of intercrossing”). Bom, Darwin colocou em seu primeiro livro o termo orquídeas Britânicas e estrangeiras. O que ele ainda não sabia era que, comparando a diversidade das orquídeas britânicas com a biodiversidade da América, riqueza de espécies das Américas era infinitamente maior. Darwin até conseguiu deleitar um pouco deste universo em sua viagem pelas Américas, mas não teve a real dimensão da riqueza da família Orchidaceae. Curiosamente, em 1877, Darwin lançou a segunda edição deste livro com pequena modificação no título “Os vários artifícios pelos quais orquídeas são fertilizadas por insetos” (do Inglês “The various contrivances by which orchids are fertilized by insects”). Note que o termo orquídeas Britânicas e estrangeiras saiu do título, isso porque as orquídeas das Américas começaram a chegar de forma massiva na Europa. Além disso, nesta nova edição Charles Darwin relata já no prefácio pouco tempo após publicada a primeira edição de seu livro, recebeu várias cartas e comunicados de pessoas do mundo todo em especial de Frtiz Müller. Müller era Alemão e havia mudado para o Brasil em 1852. Ele firmou residência na colônia (hoje cidade) de Blumenau – Santa Catarina. De acordo com Darwin, Müller enviou várias cartas com diversas curiosidades e fatos novos que chamaram sua atenção para alguns erros da primeira edição. Dessa forma, Darwin decidiu atualizar e relançar a segunda edição de seu livro.

Apesar de Darwin ter um apreço muito grande pelas orquídeas em geral, ele tinha uma grande admiração por um gênero específico o Catasetum. O mecanismo de polinização das plantas deste gênero inquietou a mente de Darwin. As orquídeas deste gênero ejetam a polínea (parte masculina) que cola no polinizador graças ao látex do viscídio. Curiosamente, alguns pesquisadores mediram a velocidade de ejeção da polínea e eles viram que pode uma velocidade de até 9 km/h. E toda esta engenhosidade deixou Charles Darwin muito intrigado, a ponto de dizer em seu livro que o gênero Catasetum era o mais excepcional dentre todas as orquídeas.

Este foi um breve resumo da história deste gênio da Ciência e sua paixão com as orquídeas.